Visualizações de páginas da semana passada

TODAS AS POSTAGENS DO BLOG

OBRIGADO PELA VISITA, SEJA BEM VINDO, ESPERO QUE GOSTE, VOLTE SEMPRE.
Loading...

Pesquisar este blog

domingo, 29 de janeiro de 2017

"A BUNDA VOADORA".

No último dia 17 de agosto o céu de Cardington, a uma hora e meia ao norte de Londres, viu sobrevoar uma aeronave de tamanho e formato dos mais incomuns. Trata-se do Airlander, protótipo de um dirigível mais leve que o ar produzido pela empresa HAV (Hybrid Air Vehicles) e que rapidamente ganhou o apelido de flying bum (bunda voadora). A aeronave tem 92 metros de comprimento, quase 21 a mais que um A380, o maior avião de passageiros do mundo. Se for tripulada, sua autonomia chega a cinco dias ininterruptos; se for controlada remotamente, pode chegar a duas semanas. Apesar do tamanho avantajado, o novo Airlander 10 é bem menor que o antigo zeppelin, que tinha 245 metros de comprimento.
Essa aeronave colossal, pode retomar a grande era dos dirigiveis, parada no tempo devido ao terrivel acidente do Hindenburg na Alemanha em 1937
Seu apelido "bunda voadora" devido
 o seu formato ser idêntico a
 de uma nádega humana.
Para flutuar, o dirigível leva em gás hélio o equivalente a um milhão de balões de festa. O casco é feito de três camadas de tecidos, um deles cinco vezes mais resistente que o aço, chamado Vectran, muito usado também em coletes à prova de balas. Por ora, o dirigível está em busca de comprador e tudo indica que terá uso militar, como o resgate de pessoas desaparecidas, monitoramento e pesquisa de mudanças climáticas. A vantagem do dirigível frente a um avião é a facilidade de pouso e decolagem, já que não requer uma pista convencional, basta um terreno plano e amplo. A desvantagem é a velocidade, não ultrapassa os 117 km/h, o que faz dele um potencial candidato a cruzeiro aéreo, já que comporta cabines como seus congêneres dos mares. É esperar pra ver.
Diferente dos dirigíveis do passado
 que se utilizavam de hidrogênio, 
ele se utiliza de gas hélio para
 flutuar com maior segurança.

Sua autonomia de voo é impressionante,
 e coloca todas as aeronaves 
convencionais no chinelo.
Os dirigíveis perderam muita popularidade depois do desastre de Hindenburg em 1937.  Mas uma empresa busca reviver a tecnologia com a maior aeronave da Terra. Com 90 m de comprimento, o Airlander 10 é um dirigível 25% maior que um Boeing 747. O volume dele é de cerca de 38 milhões de metros cúbicos, pode atingir mais de 6.000 metros de altura e voar a 144 km/h. O dirigível é feito pela Hybrid Air Vehicles (HAV), uma companhia britânica que quer construir aeronaves silenciosas que também não poluem. Assim como outros dirigíveis, o Airlander não possui estrutura interna, mantendo o formato inflado com uma carcaça cheia de gás hélio feita de Vectran, uma fibra rígida composta de polímeros de cristal líquido, resistentes a cortes e umidade. 
Ele consegue ser maior ate mesmo do 
que o monstro Antonov de 88 metros.
Ele possui 90 metros de comprimento pode
 atingir a altura de 6000 metros de altitude. 
Ate hoje a explosão do Hindenburg, 
é considerada uma das maiores 
tragedias aereas de todos os tempos.
O fogo consumiu rapidamente a
 aeronave devido o combustível 
hidrogênio ser altamente inflamável.
 Em 06 de maio de 1937 ocorreu a explosão do Hindenburg, em Lakehurst, perto de Nova York. O incêndio do maior zepelim do mundo causou a morte de 35 pessoas. O dirigível Hindenburg tinha 245 metros de comprimento, 41,5 metros de diâmetro, voava a 135 km/h, com autonomia de voo de 14 mil quilômetros, e havia sido construído pela Zeppelin, na Alemanha. Ele era, em sua época, o maior e mais moderno dirigível do mundo. O acidente aconteceu no final de uma tarde chuvosa, 77 horas depois da decolagem em Frankfurt. A bordo estavam 61 tripulantes, 36 passageiros, dois cachorros, além de bagagem, cargas e correspondências. O forte vento em Lakehurst havia obrigado o capitão Max Pruss a sobrevoar o atracador por duas vezes. Ao mesmo tempo, ordenou que fossem soltos gás e mais de uma tonelada de água para aliviar o peso. O zepelim já estava com as escadas baixadas quando, a 60 metros do chão, iniciou-se um incêndio em sua cauda. Meio minuto depois, o corpo do dirigível caía, em chamas, com o solo. Chocado, Herb Morris, repórter da CBS que fazia a cobertura da aterrissagem, apenas balbuciava: "Terrível, ele está caindo. Os passageiros... não posso continuar. A pior catástrofe do mundo".
Fonte Associated Press. 
Postar um comentário