Visualizações de páginas da semana passada

TODAS AS POSTAGENS DO BLOG

OBRIGADO PELA VISITA, SEJA BEM VINDO, ESPERO QUE GOSTE, VOLTE SEMPRE.
Loading...

Pesquisar este blog

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

ESCUDO DA SOCIEDADE.

O governo do Estado do Espírito Santo pediu nesta quarta-feira o envio de mais tropas federais para enfrentar uma onda de violência registrada em decorrência de uma greve de policiais, que em cinco dias já deixou mais de 80 mortes relatadas. O número de mortos, se confirmado, seria cerca de seis vezes maior que a taxa de homicídios no Estado registrada ao longo do ano passado. Apesar da mobilização de 1 mil soldados das Forças Armadas e de um contingente de 200 homens da Força Nacional, que chegaram ao Estado na segunda-feira, a violência continua se alastrando após a Polícia Militar iniciar uma greve no fim de semana por uma disputa sobre reajuste salarial.
O Exercito não foi criado para resolver
 assuntos internos, isso cabe ao 
governador do estado e suas policiais!
Os marginais estão cansados de saber que
 os militares do Exercito não podem 
e não irão atirar contra eles, por
 isso eles deitam e rolam a vontade.
Mediante uma onda de assaltos, roubos e assassinatos, autoridades locais disseram precisar de centenas de tropas militares a mais para ajudar a compensar a média de 1.800 policiais que normalmente patrulham as ruas do Estado. A greve, que tem participação de familiares e amigos de policiais que bloquearam acessos a batalhões, acontece à medida que o Espírito Santo, assim como outros Estados, enfrenta dificuldades financeiras para garantir serviços como saúde, educação e segurança. O governador Paulo Hartung disse nesta quarta-feira que a greve, que fez com que escolas e hospitais fossem fechados e muitos moradores decidissem ficar em casa por medo da violência, é uma "chantagem". Ele comparou a greve ao "sequestro da liberdade de cidadãos", com cobrança de um "resgate".
Lojas estão sendo arrombadas a luz do
 dia e saqueadas, com imensos
 prejuízos aos comerciantes.
Os Policiais Militares são proibidos
 de fazerem greve, porem suas 
famílias interditaram os
 portões dos quarteis.
O governo federal não respondeu de imediato a pedidos por mais tropas, mas já disseram esta semana que iriam tomar quaisquer medidas necessárias para restaurar a ordem. Autoridades do governo estadual não confirmaram o número crescente de mortes violentas, mas a mídia local relatou que mais de 80 pessoas morreram desde sábado. A maior parte da violência está centrada na região metropolitana de Vitória, onde vivem cerca de dois milhões de pessoas. Onde estão agora aqueles retardados "especialistas em segurança publica", que defendiam com unhas e dentes a extinção da Policia Militar? Queiram ou não queiram gostem ou não gostem a policia (principalmente a Policia Militar) é o escudo da sociedade, eles conversam quando teem que conversar e sentam a borracha quando teem que sentar a borracha e tem que ser assim mesmo! Agora aqueles entendidos em coisa nenhuma que ficam a vida inteira criticando a policia.
Agora a tarde os funcionários dos I.M.L.s 
também aderiram a essa greve e a 
situação parece que ainda vai 
ficar muito pior do que ja esta.
Com os I.M.Ls lotados de corpos, 
e agora tambem em greve, 
os funcionários não irão mais
 recolher os corpos das ruas e a 
situação vai virar um inferno na terra.
Deveriam vir eles agora com suas teorias furadas de meia tigela saírem as ruas agora e resolverem esse pandemônio cívico! Pra eles verem o que é bom para a tosse! Agora o grande culpado de toda essa situação é o governador do estado do Espirito Santo que Paulo Hantung, que não demostra nenhuma humildade e nem experiencia, tratando os funcionários públicos como lixo, não sentando a mesa para negociar com os grevistas. Jogando-os contra a população e vice versa. Se ele chamasse o comando de greve e negociasse com eles algo interessante, com certeza essa situação ja teria sido resolvida a muito tempo, ao inves de ficar batendo de frente com eles. E ao inves disso, ele fica sentado a sua mesa, e convoca as Forças Armadas (que teoricamente seriam utilizadas apenas em estado de guerra) e a Força de Segurança Nacional, utilizada em crises, para resolverem um problema que ele é que tinha que resolver. Qualquer um sabe que as Forças armadas (apesar de portarem armas poderosas de guerra) não podem utilizá-las, e corre-se o serio risco dos militares do Exercito ainda serem atacados, e perderem suas armas.
Onde estão agora aqueles retardados
 que pediam a extinção da PM.?
Queiram ou não queiram, gostem ou não
 gostem, as policias são o escudo
 da sociedade, sem elas as 
cidades viram uma zona!
Os Militares das Forças Armadas, devem zelar pela vigilância de nossas fronteiras, e ficarem em alerta em período de guerra, agora quem tem que zelar pela segurança publica dos estados e cidades são os policiais, e agirem ostensivamente, evitando o descontrole, mas parece que o nobre governador do Espírito Santo não sabe disso, e passa a sua responsabilidade constituída, aos agentes federais. O caos publico no Espirito Santo esta armado, as pessoas de bem estão ilhadas em suas casas, não podendo sair para nada, os marginais estão deitando e rolando a vontade, os comerciantes estão sendo roubados e tendo prejuízos altíssimos, e o Exercito e a Força de Segurança Nacional estão mais perdidos do que barata em galinheiro, sem saberem como agir. No meu entender o governador do Espirito Santo deveria imediatamente, sair de seu gabinete confortável, negociar com os policiais grevistas, resolver isso e exigir a volta deles as ruas ja! Antes que a situação fuja totalmente do controle mas do que ja esta.
Fonte G1
Postar um comentário