Visualizações de páginas da semana passada

TODAS AS POSTAGENS DO BLOG

OBRIGADO PELA VISITA, SEJA BEM VINDO, ESPERO QUE GOSTE, VOLTE SEMPRE.
Loading...

Pesquisar este blog

sábado, 18 de fevereiro de 2017

MORTE AGENDADA.

O ator Cauã Reymond interpretou um personagem polêmico na série "Justiça", da TV Globo. Na história, o contador Maurício dá uma injeção letal na mulher Beatriz, a pedido dela, depois que um acidente de carro a deixa tetraplégica. Ele é preso e condenado, o que provavelmente também aconteceria se fosse uma história real, porque a eutanásia é considerada crime de homicídio no Brasil. De acordo com o Código Penal brasileiro, as penas para quem causa a morte de um doente podem variar de dois a seis anos, quando comprovado motivo de piedade, a até 20 anos de prisãoNa eutanásia, alguém, geralmente o médico, provoca a morte de um doente terminal após o consentimento dele ou de parentes, a injeção letal mostrada na série é um exemplo de como fazê-la.
A eutanásia pode acabar com o sofrimento
 nessa vida, mas quem garante que
 acabara com o sofrimento karmico?
Quando nem os médicos acreditam
 na cura, surge então essa alternativa
 nem um pouco ortodoxa e natural.
Já quando o paciente tem sua medicação ou tratamentos suspensos (por já não serem efetivos ou até prejudicarem o paciente), ele opta pela ortotanásia, uma prática não prevista por lei, mas permitida no Brasil por uma resolução do Conselho Federal de Medicina. Ambas as práticas diferem do conceito de suicídio assistido, que é quando o próprio paciente tem autorização de interromper a vida se tiver uma doença incurável, por exemplo Nem todos os países encaram a eutanásia da mesma forma. Holanda, Suíça, Canadá, Colômbia e Estados Unidos, por exemplo, permitem a morte dependendo do caso. Na Bélgica, a eutanásia é permitida desde 2002. Por isso, a atleta belga Marieke Vervoort, 37, chegou a declarar publicamente que pretende. Pedir eutanásia. Ela sofre de uma doença degenerativa progressiva que provoca dores intensas, ataques epiléticos e perda de visão.
A atleta paraolímpica Joos Veroort sofre
 de uma doença degenerativa incurável
e teve o seu pedido de eutanásia aceito
 pela justiça de seus pais a Belgica.
A atleta desistiu de viver e prefere
 morrer e acabar com o sofrimento...
 sera mesmo que não sofrera mais?
Vervoort  aposentou-se após participar dos Jogos Paraolímpicos do Rio de Janeiro e diz que ainda não decidiu quando vai usar o documento que a autoriza legalmente a recorrer à morte assistida. "Você precisa ir a vários médicos, se consultar com psiquiatra, precisa provar que não pode mais viver com isso e que não tem chances de melhorar. Você precisa da assinatura de três diferentes médicos e precisa provar ao psiquiatra que é realmente o que você quer. É muito difícil", explicou ela, recentemente. "Eu tenho uma doença progressiva. Se você me visse anos atrás, eu era capaz de desenhar, de pintar obras incríveis. Eu só enxergo 20%, tenho vários ataques epiléticos. Mas os papéis me dão uma tranquilidade", disse. Mas decisões assim ainda geram inúmeros debates.A primeira questão é: uma pessoa tem direito de pedir para morrer e abreviar seu sofrimento diante de doença incurável?
Uma pessoa de sabedoria plena jamais 
aceitaria esse método de abreviação
 da vida, pois somente o tempo pode
 cessar com todo sofrimento.
A natureza é sabia, e Deus muito
 mais ainda, pois foi ele quem criou
 tudo, e somente ele tem o direito
 de abreviar um tempo e uma vida.
Um assunto bastante polemico e realista, as comunidades medicas se dividem entre a aceitação desse metodo nem um pouco ortodoxo de abreviação da vida humana por meios artificiais, e do outro lado especialistas médicos defendem isso com unhas e dentes, pelo fato do mesmo abreviar o sofrimento do individuo. Comunidades religiosas  condenam essa atitude duramente por ferir os sagrados mandamentos de Deus, ao qual cita a vida humana como uma benção e uma dadiva do todo poderoso Deus, ao qual somente ele tem o direito de retira-la no momento certo. Agora eu como nunca fico em cima de nenhum muro, tenho no meu ponto de vista a seguinte opinião, Deus em seu imenso amor pelas pessoas, nunca deixaria um filho sofrer mais do que o outro, agora quando isso ocorre, no meu ponto de vista, esse trauma vem de vidas passadas, que devem ser finalizadas naturalmente. Como uma divida contraída karmicamente-se falando, e se abreviar isso seria como um calote nessa divida que passaria karmicamente para uma outra vida. Entendo que mesmo em sofrimento a pessoa deve continuar vivendo, para que ela possa encerrar essa divida e voltar em uma outra vida saudável, agora se não fizer isso e abreviar a vida, seu sofrimento nunca tera fim.
Fonte Uol Noticias.
Postar um comentário