Visualizações de páginas da semana passada

TODAS AS POSTAGENS DO BLOG

OBRIGADO PELA VISITA, SEJA BEM VINDO, ESPERO QUE GOSTE, VOLTE SEMPRE.
Loading...

Pesquisar este blog

segunda-feira, 25 de julho de 2016

MEGALODON.

O megalodon é um tubarão pré-histórico gigante que podia chegar a mais de 15 metros de comprimento. As suas mandíbulas eram repletas de dentes medindo entre 8 e 18 centímetros aproximadamente. Essa criatura habitou o nosso planeta há aproximadamente  28 e 1,5 milhões de anos atrás e já teria sido extinta. No entanto, não faltam pessoas que acreditam na possibilidade de que esses animais ainda estejam por aí, escondidos em algum ponto do fundo do mar. Será possível? A pesquisadora Justine Alford, do IFLScience! Afirma que não. Mesmo  que de vez em quando apareçam carcaças bizarras pelas praias ou vídeos que supostamente mostram criaturas misteriosas, não há qualquer evidência de que os megalodontes ainda existam.
Essa bocarra assustadora seria tres 
vezes menor do que a boca de 
um tubarão megalodon.
O megalodon chegaria a 18 metros e 
 cerca de 50 toneladas, sem duvida
 um monstro soberando dos mares.
Justine não nega que ao longo dos anos várias testemunhas disseram ter avistado tubarões gigantes e que, inclusive, existem ilustrações e fotografias mostrando esses monstros marinhos. A especialista explica que, até onde se sabe, todas essas “provas” mostraram não ser reais, as prováveis ilustrações do tubarão gigantesco mostram impressões exageradas das testemunhas. Até mesmo a polêmica foto da década de 40, mostrada abaixo, apontada como uma das principais provas foi montada digitalmente. A imagem foi utilizada por um documentário fictício sobre o tema, com direito a atores e tudo mais, produzido pela Discovery Channel. Em relação aos relatos feitos por testemunhas, deve-se levar em conta que não é muito fácil reconhecer carcaças de animais em decomposição.
Foto montada de um tubarão megalodon, 
utilizada em um documentário do 
Discovery Channel na década de 40.
Um mostro sem igual nos mares e 
que seria um predador avassalador.
 E que, até mesmo para especialistas, a identificação de animais vivos pode ser difícil. Quando se trata de não especialistas, a confusão pode ser ainda maior. Justine lembra que a descoberta de dois animais marinhos considerados extintos trouxe novamente à tona a ideia de que o megalodon possa ter sobrevivido também. Um dos animais é o celacanto do gênero Latimeria, que era considerado extinto há mas de de 65 milhões de anos, durante o período cretáceo. No final da década de 30 vários destes animais foram redescobertos. Desde então, outros exemplares também foram vistos, apesar deste tipo de peixe viver em grandes profundidades. Já a outra espécie descoberta foi a Megachasma pelagios, de animais conhecidos como tubarão boca-grande.
O celacanto tido como extinto, reapareceu
 como um grande sobrevivente.
Outra especie tida como extinta e que
  reapareceu o tubarão boca grande
 (Megashasma Pelagios), quem sabe 
o megalodon também possa reaparecer.
Um dente fossilizado do tubarão megalodon
 demostra que ele era mesmo um
 gigante poderoso dos mares.
 Os tubarões boca-grande, re-descobertos em 1976, podem alcançar mais de 4 metros de comprimento e se alimentam exclusivamente de plâncton. No entanto, apesar de esses dois animais terem passado despercebidos por tanto tempo, sendo considerados extintos, não existe evidência concreta que pode ter acontecido o mesmo com o megalodon. Os fósseis do animal sugerem que eles gostavam mais de  águas mais quentes e que  não estavam adaptados para viver em grandes profundidades. O megalodon também costumava habitar locais onde havia abundância de alimento. Além disso, eles costumavam usar as áreas costeiras de mares e oceanos para cuidar dos filhotes. Uma das teorias sobre o que provocou sua extinção foi o fato de suas presas naturais terem migrado para regiões de maior profundidade, o que diminuiu a disponibilidade de comida.
Fonte Discovery Channel.
Postar um comentário