Visualizações de páginas da semana passada

TODAS AS POSTAGENS DO BLOG

OBRIGADO PELA VISITA, SEJA BEM VINDO, ESPERO QUE GOSTE, VOLTE SEMPRE.
Loading...

Pesquisar este blog

domingo, 21 de fevereiro de 2016

O MAIOR NAUFRAGIO DO MUNDO.

 9000 Mortos essa tragedia faz o
 Titanic parecer apenas fichinha!
Á maior tragédia de todos 
os tempos nos mares!
Uma das ultimas fotos do navio
 antes de ser afundado
Kreuzfahrtschiff Wilhelm Gustloff
Wilhelm Gustloff -
Dedicamos o dia de hoje mais uma vez às vítimas do maior desastre marítimo da humanidade: o torpedeamento do navio-hospital alemão, o Wilhelm Gustloff.
No inverno de 1945, bem no final da 2ª Guerra Mundial, um navio alemão que transportava milhares civis refugiados da guerra, o Wilhelm Gustloff, foi afundando por um submarino soviético nas águas do Mar Báltico. Quase todos os que estavam a bordo pereceram afogados ou devido a hipotermia provocada pela baixíssima temperatura do mar. O número de vítimas foi tamanho – é tido como o maior naufrágio civil do mundo - que superou em muito as do transatlântico Titanic, cujo afundamento ocorreu em 1912, sem porém que provocasse a mesma comoção.
Fuga pelo Báltico
“Matem! Matem!.. Usem a força e quebrem o orgulho racial dessas mulheres alemãs. Peguem-nas como legítimo botim. Avante como uma tempestade, galantes soldados do Exército Vermelho.”
Ilya Ehrenburg, jornalista soviético, 1945
Numa daquelas noites prussianas gélidas do Norte europeu, em 30 janeiro de 1945, com o termômetro marcando 10° abaixo de zero, o ex-cruzeiro de luxo alemão M/S Wilhelm Gustloff, de 25 mil toneladas - desde 1940 transformado em hospital flutuante - , deslocava-se apinhadíssimo de gente pelo Mar Báltico.
Este "ex-cruzeiro de luxo" fazia parte do programa KDF - Kraft durch Freude - que proporcionava um período de férias anuais para os trabalhadores alemães. Qualquer semelhança com os governos ditos "democráticos" da atual ordem mundial é somentemera coincidência.
Projetado para levar duas mil pessoas, carregava naquele momento mais de nove mil, a maioria mulheres e crianças que fugiam da invasão russa. O Exército Vermelho vinha, por assim dizer, nos calcanhares deles, seguindo a mesma rota que os seus antepassados mongóis, no século 13, usaram para atingir o Ocidente. Os que escapavam eram civis alemães que até então moravam na Prússia Oriental e nos Estados Bálticos que, apavorados, fugiam pelo Golfo de Danzig da vingança dos soviéticos. Organizaram para eles uma espécie de solução de emergência, recolhendo-os dos portos do leste da Alemanha para que alcançassem, por mar, as áreas mais seguras do Ocidente. Os que iam a bordo não tinha a mínima idéia que seriam os protagonistas da maior tragédia marítima de todos os tempos, quase superior seis vezes as vitimas do transatlântico Titanic, naufrágio ocorrido 32 anos antes (1.517 mortos).
O naufrágio
Quando haviam cumprido a metade do caminho, um pouco depois das 21 horas, três torpedos do submarino russo S-13 os atingiram. O Wilhelm Gustloff logo adernou. A multidão que se agarrava no convés começou a ser jogada na água. Outros, apavorados, saltavam diretamente lá do alto. A gritaria no convés era acompanhada de tiros dos que preferiam suicidar-se ou atirar nos familiares antes. Os soldados feridos, imobilizados, despediam-se uns dos outros. Como distribuir os parcos botes salva-vidas para 9.343 passageiros, sendo que muitos deles estavam cobertos de gelo? O SOS foi lançado e aos poucos começaram a chegar os auxílios. Os faróis dos barcos e das lanchas de socorro vararam a noite inteira em busca de sinais de vida, enquanto corpos, milhares deles, vagavam sem destino em meio aos blocos de gelo, boiando salpicados de neve. Os que conseguiam ser resgatados estavam enregelados, as mãos azuladas e encarangadas e o olhar petrificado. Ao amanhecer as equipes de salvamento haviam retirado 1.239 náufragos (outros reduzem-nos para 996) daquele horror. A situação só não foi pior porque eles estavam próximos ao litoral da Pomerânia, mesmo assim supõe-se que oito mil pereceram.
Os submarinos soviéticos continuaram por perto praticando a caça e, dez dias depois, afundaram o General von Steuben (3 mil mortos) e ainda, em 16 de abril de 1945, puseram a pique o Goya (cerca de 7 mil, a maioria soldados). Portanto, em matéria de matança de civis o M/S Wilhelm Gustloff, realmente empunhou a taça da desgraça.
Se bem que a operação de remoção do maior número possível de civis alemães orientais foi tida como um sucesso, pois conseguiram o translado de 2 milhões deles para fora da órbita soviética, a tragédia daquele barco de turismo adaptado para às pressas para a fuga, perdurou no tempo como um desastre que poderia ter sido evitado, não fosse o clima de revanche que embalava os soviéticos. Revanche que se estendeu para os maus tratos da grande parte da população civil do Leste da Alemanha, com ondas de estupros, pilhagens, saques, desordens, espancamentos e brutalização geral dos vencidos.
Seus destroços repousam para 
sempre no fundo do Mar Báltico
Um roteiro de atrocidades
Na época dizia-se que era merecido. Que os alemães haviam se portado do mesmo modo quando adentraram na URSS em 1941. Quem começou a reverter esta opinião entre eles, foi Alexander Soljenitsine.
Cada vez mais fica evidente que o comportamento do Exército Alemão era exemplar, merecendo o reconhecimento de todos os historiadores sérios,como o exército que mais respeitou as convenções da guerra. A propaganda de guerra aliada tenta até hoje perpetuar a mentira, porém, a verdade, uma vez reconhecida, torna-se óbvia.
Cada vez mais furioso com o regime comunista, Soljenitsine que fez parte das tropas de ocupação – era oficial de artilharia - pessoalmente testemunhou as atrocidades que seus conterrâneos haviam cometido. Envergonhado, acabou por denunciar aqueles horrores num longo poema intitulado Prosskie Nochi (Noites Prussianas, 120 páginas, 1974), revelando à opinião pública da então URSS, o que de fato acontecera na Alemanha naqueles meses de conquista e ocupação, quando pelotões inteiros de soldados russos submetiam as alemãs, dos oito aos sessenta anos, a estupros coletivos, cortando o pescoço daquelas que resistiam ou se lhes opunham. Ele acreditou que tudo aquilo decorreu, que deu-se tal roteiro de atrocidades, devido os comunistas"terem afastado a Rússia de Deus", retirando do soldado raso, dos Ivans que passaram a acampar na Alemanha, qualquer sentimento de piedade ou compaixão para com os derrotados. Ao contrário, incitou-os aos barbarismos a pretexto de estarem lutando contra o decadente mundo burguês em sua forma fascista.
O torpedeamento do navio pelo submarino
 russo S 13, resultou em mais de nove mil mortes!

Aquele navio grande, majestoso, que virou até filme não foi o maior naufrágio da história. Mas virou filme porque foi uma inovação para sua época e a guerra, era já tão comum, qual a graça de fazer um filme sobre ela? Com o Pan e o acidente da TAM, a disputa de atenções fica acirrada. Esporte, que é saúde, vida, ou o fogo, que trouxe a morte e a tristeza?
Titanic
 antes da tragedia
Titanic
 depois da tragedia, seus destroços repousam 
no fundo gelado e escuro do  Oceano Atlantico
Tinha 269m de comprimento, pesava quase 50t e viajava a uma velocidade média de 44Km/h (24 nós).
A viagem inaugural levou 2208 passageiros, as estimativas são de que entre 1489 ~ 1516 pessoas morreram entre passageiros e tripulação. E eu ainda acho que haviam mais algumas pessoas “ilegais”.
Distribuição por classe social:
* Primeira-classe: 324
* Segunda-classe: 285
* Terceira-classe: 708
* Tripulação: 891
Há boatos de que a terceira classe era melhor que a primeira classe de muitos navios.
Em 10 de abril iniciou-se a viagem inaugural que 4 dias depois resultaria no “naufrágio de inauguração”.
O desastre deu iní cio na noite de 14 de abril, quando um dos vigias do mastro avistou o iceberg. Apenas 47 segundos depois da visualização do iceberg o navio se chocou contra o mesmo.
Menos de 2 horas depois da colisão, o navio já descia a pique para o fundo do oceano.
O que ajudou bastante a aumentar o número de mortos foi a pouca quantidade de botes salva-vidas, no plano original deveriam ter 64 botes, mas só haviam 16. Pelas leis inglesas só era permitido levar 14 botes, ao contrário, o navio se tornaria ilegal.
Apesar do Titanic ter sido uma tragédia na sua viagem inaugural, não é ele quem leva o tí tulo de maior naufrágio do mundo.
Um navio hospital que foi atingido
 e levado ao fundo do mar
 por torpedos russos.
O campeão de mortes foi um navio alemão,Wilhelm Gustloff, que transportava 9000 civis refugiados, em sua maioria mulheres e crianças. Ao contrário do Titanic não foi mero acaso nem despreparo, o naufrágio foi “encomendado”. Em 30 de janeiro de 1945 um submarino soviético lançou três torpedos contra o navio e o afundou.
Ainda conseguiram ser resgatadas em torno de 1200 pessoas, pois o navio estava próximo ao litoral da Pormerônia, mas há quem diga que mais de 8000 pessoas morreram.
Os submarinos soviéticos continuaram sua “caça” e 10 dias depois afundaram o General von Steuben causando 3000 mortes. Em 16 de abril daquele mesmo ano foi a pique o Goya com quase 7000 mortos, a maioria soldados.
Portanto, em matéria de matança de civis o M/S Wilhelm Gustloff, realmente empunhou a taça da desgraça.

Naufragios famosos 

Fonte Wikipedia

Postar um comentário