Visualizações de páginas da semana passada

TODAS AS POSTAGENS DO BLOG

OBRIGADO PELA VISITA, SEJA BEM VINDO, ESPERO QUE GOSTE, VOLTE SEMPRE.
Loading...

Pesquisar este blog

terça-feira, 22 de setembro de 2015

COMPLEXA MAQUINA ANIMAL.

Por decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), mulheres que decidem abortar fetos anencefálicos e médicos que provocam a interrupção da gravidez não cometem crime. A maioria dos ministros entendeu que um feto com anencefalia é natimorto e, portanto, a interrupção da gravidez nesses casos não é comparada ao aborto, considerado crime pelo Código Penal. A discussão iniciada há oito anos no STF foi encerrada em dois dias de julgamento.
Um feto em desenvolvimento, ja possui 
quase todas as características necessárias.

A decisão livra as gestantes que esperam fetos com anencefalia  ausência de partes do cérebro de buscarem autorização da Justiça para antecipar os partos. Algumas dessas liminares demoravam meses para serem obtidas. E, em alguns casos, a mulher não conseguia autorização e acabava, à revelia, levando a gestação até o fim. Agora, diagnosticada a anencefalia, elas poderão se dirigir diretamente a seus médicos para realização do procedimento.
O Supremo Tribunal Federal, resolveu 
que não existe crime na interrupção 
da gravidez de um feto anencéfalo.
O Código Penal, em vigor desde 1940, prevê apenas dois casos para autorização de aborto legal: quando coloca em risco a saúde da mãe e em caso de gravidez resultante de estupro. Qualquer mudança dessa lei precisa ser aprovada pelo Congresso. Por 8 votos a 2, o STF julgou que o feto anencefálico não tem vida e, portanto, não é possível acusar a mulher do crime de aborto. “Aborto é crime contra a vida. Tutela-se a vida em potencial. No caso do anencéfalo, não existe vida possível”, afirmou o relator do processo, ministro Marco Aurélio Mello.
A vida humana começa muito 
antes que voce possa imaginar.
Uma decisão pra la de polemica pois coloca em evidencia a preciosa vida humana, de quem deve permanecer, e quem não deve permanecer entre nós. Cientificamente o feto anencéfalo (sem cérebro, ou com falta de suas partes vitais) não possui perspectiva quase nenhuma de vida, sendo por isso clinicamente considerado ja um morto-vivo, mas geneticamente falando a vida humana realmente começa quando existe a fusão entre os pronúcleos feminino e masculino.
Todos procuram seu espaço natural, 
e desde muito cedo ja brigam por ele.
Resultando então na fecundação do ovulo, com essa magnifica obra da natureza, cria-se então uma variedade de possibilidades de cargas genéticas e cromossômicas necessárias para  um pleno desenvolvimento de um ser autônomo e independente, ao qual necessitara apenas ser alimentado no seu ambiente adequado, (intra-uterino) fornecido pela mãe, ele não é uma possibilidade de vida humana, mas sim uma vida humana cheia de possibilidades ja na sua forma fetal.
O ciclo da vida sem duvida é uma 
obra maravilhosa e perfeita
 em todos os detalhes.
Nessa questão que coloca em check-in a vida humana, esquece-se que ja existe um pequeno coração batendo, uma complexa corrente sanquinea que transporta o sangue da vida para todos os órgãos do corpo, que também ja existe um mapeamento genético microscópico,  mas altamente preciso que é o D.N.A., e que existe alem de tudo isso, o calor humano repassado pela mãe, e que  isso vai relativamente aumentando e dando eficiência nessa complexa maquina animal, fazendo com que todas suas "peças" fundamentais tenham total harmonia entre si.
Tudo é feito milimetricamente com 
muita precisão, onde nada é por acaso.

Abreviar tudo isso tendo a desculpa formal de não haver perspectivas reais futuras  de vida humana nesse pequeno ser,  que ja em seu todo, é vida radiante, da um sentido muito sombrio sobre a verdadeira razão do homem fazer isso, dando-lhe infinitos poderes sobre-humanos de poder decidir sobre a vida ou a morte de um feto, que nada mais é do que um ser humano, e portanto decidir sobre a vida ou a morte de um outro ser humano, isso pode ser mais uma tentativa frustrante do ser humano brincar de ser Deus, onde ele em toda sua insiginificancia cósmica, tentar se igualar ao todo 
poderoso e supremo criador.
Fonte BBC.
Postar um comentário