Visualizações de páginas da semana passada

TODAS AS POSTAGENS DO BLOG

OBRIGADO PELA VISITA, SEJA BEM VINDO, ESPERO QUE GOSTE, VOLTE SEMPRE.
Loading...

Pesquisar este blog

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

REBELIÃO DA ILHA ANCHIETA.



A ilha tem duas praias principais: a do Sul e a do Presídio, além de dois morros: Morro do Papagaio (ao norte) e Morro do Farol. A comunicação da ilha com Ubatuba e Caraguatatuba praticamente não existia naquele tempo. Depois de confinar nos anos 30, os presos políticos durante a ditadura de Getúlio Vargas, novamente criava-se uma instituição penal na Ilha Anchieta.
Um lugar de rara beleza natural, que 
no passado abrigou um presidio.
Em 1942 era instalado o Presídio da Ilha Anchieta. Em frente à praia, ficava, e ainda fica, o frontispício do antigo presídio. Adentrando, o pátio onde os presos se reuniam. Em volta do pátio, no formato retangular, uma espécie de “vila” compostas pelos pavilhões de grades onde ficavam confinados os 453 presos, todos de alta periculosidade. À esquerda de quem olha para a entrada do presídio, por uma trilha que segue rumo ao Morro do Papagaio, ficava o quartel com sua sala de armas.
No pátio, grupos rivais se digladiavam constantemente, sendo contidos pelo pequeno efetivo de guardas, apenas 50 policiais, aproximadamente. O líder de todos eles era o perigoso João Pereira Lima, o “Pernambuco”. Seu “staf” era formado por outros não menos perigosos como “Mocoroa”, “Daziza”, “China Show” e “Diabo Loiro”
Do presidio restam apenas ruínas e á triste
 historia dessa terrível carnificina.

O preso Portuga era o cérebro!
Tudo começou a mudar com a chegada de Álvaro da Conceição Carvalho Farto, o “Portuga”, sujeito inteligente, formado em engenharia, que aos poucos foi se tornando ciente do ambiente em volta. 
Um certo dia (sem perceber um plano a longo prazo de rebelião), o diretor do presídio, Fausto Sady Ferreira, transferiu “Portuga” para uma cela solitária. O bandido alegava que estava correndo risco de vida entre os demais presos. Era já o início do esquema para elaborar um projeto completo de todo o presídio sem que ninguém atrapalhasse.
Todos os detentos, a partir de então, receberam funções específicas. A princípio, sob as ordens de Pereira Lima, os presos passaram a buscar amizade com os policiais e familiares. Brincavam com as crianças da ilha, sorriam, cumprimentavam respeitosamente as senhoras, enfim, ficaram, de uma hora pra a outra, “gentis”. 
Á fachada do presidio, que aos poucos vai se decompondo com o tempo.
Um projeto ardiloso.
Cada um tinha que ter um posto, dessa forma, o preso que era o barbeiro, chamado por todos “Mão Francesa” teria que dar um jeito de transferir seu atendimento para a barbearia das Praças, onde poderia ver o interior do destacamento. “Mão Francesa”, que era homossexual passivo, ganhou a confiança dos militares, enquanto ia copiando as escalas de serviço e os pormenores, ou seja, a intimidade do destacamento. 
O presidiário “Leitão” ficou incumbido de fazer o diretor Sady praticar tiros. O diretor era ótimo atirador, mas a ilha era silenciosa já que não se usavam mais as armas. O armamento ficava guardado (vejam que ironia) em uma sala do quartel, que ficava na trilha do Morro do Papagaio, cerca de 300 metros acima do pátio.
Por isso, “Leitão” passou a bajular o diretor Sady para que o mesmo mostrasse sua perícia com armas, certamente, os estampidos passariam a ser corriqueiros e ninguém estranharia qualquer barulho de tiros. Estratégias de “Portuga”, que também incumbiu os presos que cortavam lenha no Morro do Papagaio a ganharem a confiança dos soldados; apenas dois guardas que faziam a escolta de doze presos.
E então, harmonia total na ilha, acabaram as brigas entre grupos, os presos sorriam, acendiam suas bitas de cigarros nos cigarros dos soldados que nem andavam armados. Também passaram a fazer tarefas nas casas dos policiais e dos funcionários civis, uma confiança total. 
Os tripulantes da lancha Ubatubinha de longe 
avistaram fumaça e desconfiados, não 
desembarcaram na ilha, 
retornando para o alto-mar.
Chegou o dia!
O clima estava preparado. Outro preso, o “Fumaça”, que trabalhava no almoxarifado, ficou incumbido de descobrir o dia exato em que a lancha “Ubatubinha” vinha de Santos trazendo (como acontecia uma vez por mês) mantimentos para a ilha. A lancha era uma grande embarcação e serviria perfeitamente para o plano de fuga. Descobriram então o dia: ela viria no dia 20 de junho. O plano teve então prosseguimento na véspera, dia 19, quando foi assassinado o preso “dedo-duro” Flores, vulgo “Dentinho”. Os detentos o enterraram bem fundo na praia do bananal, depois espalharam o boato que “Dentinho” vinha comentando sobre a vontade de fugir.
O diretor Fausto Sady, adorava matar a tiros os urubus, isso ele fazia incentivado pelo preso leitão, logicamente isso fazia parte do plano, pois o alarme utilizado era um tiro para o ar, e com os constantes disparos do ingênuo diretor, esse sinal de alarme foi para o espaço.
Mataram “dois coelhos com uma paulada só”: eliminaram um perigo ao plano de fuga enquanto fariam com que o diminuísse o efetivo pois os policiais teriam que organizar uma busca do desaparecido. Dito e feito: após a contagem, seis soldados mais o funcionário “Escoteiro” saíram em busca do suposto fugitivo.
Plano em execução.
Rumo ao Morro do Papagaio, a primeira comitiva de doze presos sendo escoltada pelo sargento Theodósio Rodrigues dos Santos mais o soldado Geraldo Braga foi em busca de lenha. Outro grupo maior, com 110 presos, seguiu para Ponta da Cruz onde recolheria a lenha cortada no dia anterior, com a escolta de apenas dois soldados, Hilário Rosa e Manoel França Ayres e dois guardas civis desarmados, Higino Perez e Helio Barros.
Á lancha Ubatubinha era uma barcaça de tamanho médio  equivalente á uma escuna de turismo.
Ao lado do soldado Ayres, o chefão João Pereira Lima, de repente, retira-lhe o fuzil sem qualquer resistência pois o soldado pensou que fosse brincadeira. Ayres e os dois funcionários foram amarrados em uma árvore. Um dos presos foi chamar o soldado Hilário que seguia à frente do grupo. Ao se aproximar, Hilário foi morto friamente por Pereira Lima com um tiro de fuzil no rosto.
Esse estampido também estava no plano de fuga, pois sinalizava ao outro grupo para que os “doze” também imobilizassem Theodózio e Braga enquanto preparava o desfecho lá embaixo, nos pavilhões. Afinal, o tiro agora era normal para quem estava lá no destacamento. Poderia ser o diretor Sady praticando o seu rotineiro “tiro ao “urubu”. Os “doze” então atacaram os policiais com golpes de machado, matando-os e tomando duas armas de fogo.

O massacre
Descendo, atacaram de surpresa o quartel, começando com o tiro desferido por Pereira Lima que matou pelas costas o soldado armeiro Otávio dos Santos. Em seguida, foram mortos outros policiais que lutaram bravamente, mas não conseguiam chegar até a sala de armas, já que outro bandido, o sanguinário China Show, mantinha todos afastados através de uma janela lateral. Os bandidos, assim, armados até os dentes, desceram até o presídio e atacaram a casa do diretor Fausto Sady e do Comandante do Destacamento, Tenente Odvaldo Silva. O bandido China Show, após ferir o diretor Sady, foi até a casa do chefe de disciplina, Portugal de Souza Pacheco e o matou diante da esposa e filhos.

Foi o maior massacre que se teve notícia até então e a maior rebelião na história dos presídios em todo o mundo.
Á costa da Ilha Achieta, era infestada de tubarões, isso porque era jogada grande quantidade de sangue e restos de peixes na praia, para atrai-los, para inibir qualquer tentativa de fuga a nado.

Erro no projeto.
Para completar a carnificina, os bandidos libertaram todos os presidiários, enquanto “Daziza” e “China Show” era os que mais se divertiam. Pereira Lima, o chefão, ordenou que ninguém tocasse as mulheres e as crianças, e assim foi feito.
Segundo o policial do presídio, ainda vivo e atualmente trabalhando como monitor da ilha, PM José Salomão das Chagas, a lancha “Ubatubinha” passava pelo “boqueirão”  (trecho entre as escarpas da ilha e do continente), quando percebeu-se uma fumaça preta que surgia da ilha. Imediatamente, a lancha fez a volta e retornou ao continente.
O que o inteligente “Portuga” não previa é que os detentos, na sanha da destruição, fossem atear fogo aos pavilhões. Dessa forma, o plano foi por “água a baixo”.
Pereira Lima determinou então efetuar a fuga em uma embarcação menor, a lancha do presídio de nome “Carneiro da Fonte”, conhecida no presídio por “bailarina”, devido ao seu movimento parecido a uma dança nos dias de mar revolto.
Mas um detalhe tenebroso dessa historia, é que á lancha menor so cabiam 50 pessoas e eles eram ao todo 90, que com certeza só os levaria para o fundo do mar, sabendo disso, um dos chefes Pereira Lima, começou á metralhar os companheiros de fuga e atira-los para os tubarões, para esvaziar á lancha.

Todavia, uma embarcação que comportava apenas 50 pessoas não poderia levar os 90 que nela tentavam a fuga. Então, vários detentos, principalmente os de maior peso, foram jogados ao mar para deleite dos tubarões. Com a falta de experiência do piloto improvisado, o bandido “Timoshenko”, a lancha “Carneiro da Fonte” encalhou na praia rasa de Ubatumirim. Na ilha, outros que não embarcaram na lancha, fugiram em canoas.
O Exercito  foi fundamental para á recaptura dos amotinados que se escondiam na vasta Serra do Mar.
Recapturados.
No dia seguinte, todas as guarnições do Vale do Paraíba estavam na Ilha. Acontece que o soldado Simão Rosa da Cunha conseguiu nadar até o continente e fez com que a notícia sobre o levante chegasse até o Batalhão Militar de Taubaté.

“Portuga” tinha problemas cardíacos e não conseguiu fugir. Foi encontrado dias depois, morto sob a sombra de uma árvore. Os amotinados  que sobraram na ilha, passaram para o comando do preso Francisco Faria Junior que solidarizou-se com os policiais imobilizados e trancafiados nos pavilhões, assim sendo, soltaram todos os militares na intenção de abrandar suas penas. 
Foram recapturados 129 detentos fugitivos entre eles, o chefe “Pereira Lima”, enquanto outros seus desapareceram sem que nunca mais se ouvisse falar deles. Em 1955, com Juíz, Promotor e Advogados que ficaram na ilha por três anos, foi instituído um Fórum que julgou todos os fugitivos recapturados

Os heróis

Em toda a celebração do dia 20 de junho, a Secretaria de Turismo de Ubatuba promove um evento que reúne cerca de 250 pessoas, chamados “Filhos da Ilha” (descendentes e nascidos na ilha na época da rebelião) quando é prestada uma homenagem aos Heróis mortos durante o “levante da Ilha Anchieta”. Seus familiares são reunidos em um evento que tem por objetivo manter viva essa memória. No confronto com os detentos do Presídio da Ilha Anchieta, faleceram os seguintes funcionários:
Militares:
Sargento Melchíades Alves de Oliveira
Cabo Hilário Rosa
Soldado Carmo da Silva
Soldado José Eugênio Paduan
Soldado Bento Moreira
Soldado Benedito Damásio dos Santos
Soldado José Laurindo
Soldado Octávio dos Santos
Civis:Oswaldo dos Santos
Portugal de Souza Pacheco.

domingo, 28 de novembro de 2010

MUNDO CORPORATIVISTA







COMO FUNCIONA O MUNDO CORPORATIVO

TODOS OS DIAS UMA FORMIGA CHEGAVA 
CEDINHO AO ESCRITORIO

E PEGAVA DURO NO TRABALHO
ELA ERA PRODUTIVA E FELIZ

O GERENTE BESOURO ESTRANHOU ELA 
TRABALHAR SEM SUPERVISÃO

SE ELA ERA PRODUTIVA SEM SUPERVISÃO, SERIA 
AINDA MUITO MAIS SUPERVISIONADA

E NOMEOU UMA BARATA DAQUELAS BEM ASQUEROSAS, MAS QUE ELABORAVA BELÍSSIMOS RELATÓRIOS E POSSUIA MUITA EXPERIÊNCIA COMO SUPERVISORA,  PARA ENTÃO SUPERVISIONA-LA, SUA PRIMEIRA PREOCUPAÇÃO FOI DE PADRONIZAR O SEU HORÁRIO DE ENTRADA E SAIDA, ISSO É ENTRADA AS SETE DA MANHÃ SAIDA AS...
LOGO ELA PRECISOU DE UMA SECRETARIA PARA AJUDAR A PREPARAR OS RELATÓRIOS E CONTRATOU TAMBÉM

UMA ARANHA PARA ORGANIZAR OS ARQUIVOS E 
CONTROLAR AS LIGAÇÕES TELEFÔNICAS
O CHEFE BESOURO FICOU ENCANTADO COM OS RELATÓRIOS DA BARATA
 E PEDIU TAMBÉM GRÁFICOS COM INDICADORES E ANALISES DAS TENDÊNCIAS
 DE MERCADO QUE ERAM DEMONSTRADAS EM REUNIÕES
CADA UM QUE ASSUMIA LOGO SOLICITAVA UM COMPUTADOR E VARIADAS MORDOMIAS 

E COMPROU UM COMPUTADOR COM IMPRESSORA COLORIDA, LOGO Á
FORMIGA COMEÇOU Á LAMENTAR DE TODA ÀQUELA MOVIMENTAÇÃO DE
 PAPEIS E REUNIÕES, E A BARATA CONTRATOU UMA MOSCA PARA AJUDAR
 O CHEFE BESOURO CONCLUIU QUE ERA NECESSÁRIO SE CRIAR TAMBÉM Á
 FUNÇÃO DE GESTOR PARA Á AREA ONDE Á FORMIGA PRODUTIVA ERA
FELIZ E TRABALHAVA ESSE IMPORTANTE CARGO FOI
 DADO ENTÃO PARA UMA CIGARRA, QUE LOGO ACARPETOU O
SEU ESCRITÓRIO, TAMBÉM UMA TV DE TELA PLANA,
E UMA CADEIRA ESPECIAL.

Á NOVA GESTORA TAMBÉM ACHOU NECESSÁRIO UM NOVO
COMPUTADOR E DE UMA ASSISTENTE BILINGUE, E LOGO
 PEDIU Á CONTRATAÇÃO DA PULGA QUE HAVIA


"TRABALHADO" COM ELA NA FIRMA ANTERIOR, PARA AJUDA-LA Á
PREPARAR UM PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIAS DO ORÇAMENTO E
CONTENÇÃO DE DESPESAS, POIS OS ATIVOS SE DESENTENDIAM COM OS PASSIVOS 
MAS UM COMPUTADOR E VARIADAS MORDOMIAS

E Á FORMIGA ESTAVA CADA VEZ MAIS
 CHATEADA COM TODA ESSA TECNOLOGIA
E SUPERFICIALIDADE E MATERIALISMO
A "TODA  PODEROSA" SUPERVISORA BARATA COM TODO O  SEU VASTO 171, CONVENCEU O CHEFE BESOURO QUE AS TENDÊNCIAS DE FATURAMENTO PODERIAM AUMENTAR SE FOSSE REALIZADO UM ESTUDO CLIMÁTICO.  
ARTIGO 171 DO CODIGO PENAL, OBTER PARA SI O OUTREM, COM VANTAGEM ILÍCITA, EM PREJUÍZO ALHEIO, INDUZINDO OU MANTENDO ALGUEM EM ERRO, MEDIANTE ARTIFÍCIO, ARDIL OU QUALQUER OUTRO MEIO FRAUDULENTO

ENTÃO O CHEFE BESOURO CONTRATOU DE 
IMEDIATO Á CORUJA UMA CONCEITUADA 

CONSULTORA MUITÍSSIMA FAMOSA PELOS SEUS VASTOS
ESTUDOS ANALÍTICOS E ECONÔMICOS, PARA QUE REALIZASSE UM
 DIAGNOSTICO DE TODA Á SITUAÇÃO.Á CORUJA PERMANECEU POR
 TRES MESES NOS ESCRITÓRIOS E EMITIU UM VOLUMOSO RELATÓRIO,
 COM VARIOS VOLUMES. COM UMA CONCLUSÃO DECISIVA E FINAL.

O LAUDO TÉCNICO DEFINITIVO CONCLUIA QUE Á
CAUSA REAL DE TODAS AS DESPESAS EXCESSIVAS ERA Á O EXCESSO DE FUNCIONÁRIOS DA EMPRESA, E OS GASTOS DESCONTROLADOS, E Á UNICA FORMA
DE SE RESOLVER ISSO SERIA Á DEMISSÃO IMEDIATA DE ALGUNS FUNCIONÁRIOS DESNECESSÁRIOS. 

NISSO O CHEFE BESOURO IMEDIATAMENTE MANDOU DEMITIR TODOS OS

FUNCIONÁRIOS DESNECESSÁRIOS,  POIS O LAUDO DETERMINOU ISSO, EMBORA O LAUDO EXTREMAMENTE TÉCNICO NÃO DETERMINASSE POSSÍVEIS CAUSAS DE DESMOTIVAÇÃO E NEM DIFERENCIASSE TAMBÉM PRODUTIVIDADE FUNCIONAL DE CADA FUNCIONÁRIO DA EMPRESA,  E COMO TODOS ACIMA DA FORMIGA ERAM CONSIDERADOS CARGOS DE CONFIANÇA, PRODUTIVOS OU NÃO, SÓ RESTAVA UMA SAIDA, ACHOU POR BEM PELA SUA DESMOTIVAÇÃO E SEGUNDO SUA FILOSOFIA, PARA O BEM DA EMPRESA...
DEMITIR Á FORMIGA
ESSA HISTORIA SE REPETE TODOS OS DIAS E TODAS AS HORAS EM TODAS AS DIVERSAS EMPRESAS E FIRMAS DO NOSSO PAIS, PUBLICAS OU PRIVADAS, ONDE AQUELE QUE REALMENTE TRABALHA, NUNCA É VERDADEIRAMENTE VALORIZADO E OS PARASITAS DOMINAM TUDO, SEM NENHUM RESPEITO OU ÉTICA AOS SEUS COLEGAS DE TRABALHO.

sábado, 27 de novembro de 2010

"SALARIO EM ALTA"



RENDIMENTO SALARIAL REAL MÉDIO FOI DE R$ 1.515,40 NO MES.

NA COMPARAÇÃO ANUAL, SALARIOS SUBIRAM 6,5%

O rendimento real médio dos trabalhadores ficou em R$ 1.515,40 em outubro e é o maior desde o início da série histórica do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), iniciada em março de 2002, segundo pesquisa mensal divulgada pelo órgão na quinta-feira, 25 de novembro.
Teoricamente houve um pequeno 
crescimento real
  Isso se reflete em todo o comércio, principalmente 
o comércio da Rua 25 de Março em São Paulo
Região     Salário em outubro (Fonte: IBGE)
Recife     R$ 1.143,20
Salvador     R$ 1.297,60
Belo Horizonte     R$ 1.421,90
Rio de Janeiro     R$ 1.600,60
São Paulo     R$ 1.610,00
Porto Alegre     R$ 1.432,00



Conforme informou o órgão, o recorde anterior havia sido registrado no mês passado, setembro, quando o salário médio ficara em R$ 1.511,49, número revisado pelo instituto.Em outubro, a taxa de desemprego ficou em 6,1%, de acordo com o IBGE. A taxa também é a mais baixa, considerando todos os meses, nos últimos oito anos. O menor resultado antes desse havia sido registrado no mês anterior, setembro, quando foi verificada taxa de 6,2%. Em outubro do ano passado, a taxa de desocupação havia ficado em 7,5%.
Á economia esta como um mar azul de tranqüilidade  
No conjunto das seis regiões metropolitanas pesquisadas pelo IBGE, em outubro, a população ocupada somava 22,3 milhões. Na comparação com o mês anterior, não houve variação. Já em relação ao mesmo período do ano passado, foi verificado aumento de 3,9%.

Por setores
Em relação ao mês anterior, o número de trabalhadores com carteira assinada ficou estável em todas as atividades pesquisadas pelo IBGE, menos em comércio, reparação de veículos automotores e de objetos pessoais e domésticos e comércio a varejo de combustíveis (2,5%).
Á realidade financeira é que também houve um crescimento da inflação consistindo em aumento da cesta basica, carregando com isso outros componentes principais, como á casa propria




Na comparação com o outubro do ano passado, foram verificados avanços no contingente de ocupados nos setores de serviços prestados a empresas, aluguéis, atividades imobiliárias e intermediação financeira (4,7%), em educação, saúde, serviços sociais, administração pública, defesa e seguridade social (7,4%) e nos outros serviços (8,2%). Foi observado recuo em serviços domésticos (-5,1%).

13 salário deve injetar

 R$ 102 bilhões na 

economia




Até dezembro de 2010 devem ser injetados na economia brasileira cerca de R$ 
102 bilhões em decorrência do pagamento do 13º salário. Este montante representa 
aproximadamente 2,9% do produto interno bruto (PIB) do país e engloba os trabalhadores do mercado formal, inclusive os empregados domésticos e beneficiários da Previdência Social, aposentados e beneficiários de 
pensão da União e dos estados. 
Na realidade mesmo nesse universo de numeros, o que se vê na realidade, são projeções de estímulos na economia através desse beneficio anual, mas que não estabelecem nenhuma situação de enriquecimento ou de sobra de dinheiro, pois á maioria da população ja realizou o adiantamento desse beneficio, pelos varios bancos, credenciados, na tese do  super-aquecimento da economia, vê-se uma miragem num deserto de numeros
Cerca de 74 milhões de brasileiros serão beneficiados, segundo estimativa do DIEESE – Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socio econômicos. A estimativa feita pelo DIEESE leva em conta dados da Relação Anual de Informações Sociais (Rais) e do Cadastro Geral de Empregados e  Desempregados (Caged), ambos do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). 
Essa perspectiva de super aquecimento da economia, compara-se á uma ostra, que pode conter uma perola, ou conter apenas areia
Também  foram consideradas informações da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), referente a 2009, e informações do Ministério da Previdência e Assistência Social e da Secretaria Nacional 

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

FOGO CONTRA FOGO



Presente na megaoperação, o chefe do Estado-Maior da PM, comandante Álvaro Garcia, afirmou que "estamos em uma guerra". De acordo com  ele, os blindados da Marinha ajudam na transposição das barricadas montadas pelo tráfico. “A gente tem informações de que vários caminhões e ônibus, além de óleo na pista, estão sendo usados pelos marginais”. O comandante, porém, descartou o uso da metralhadora .50. "Estamos numa guerra, mas neste nível não", avaliou.
Nunca se viu tantos carros blindados juntos nas ruas de uma cidade brasileira, como agora
É a primeira vez que blindados são trazidos a operação no Rio
 Os blindados são de modelo M-113 e nele cabem 12 homens. Também estãos endo utilizados Carro Largarta Anfíbios (Clanf). As viaturas blindadas servem para transporte de tropas e transposição de obstáculos. Policiais do Bope ocuparão os veículos durante toda a operação. É a primeira vez que equipamento deste tipo é utilizado pelas forças de segurança no Rio de Janeiro.
Esses marginais, quando são confrontados, correm como ratos apavorados!
O comboio da polícia, com mais de dez veículos do Bope, está lá desde hoje pela manhã. O clima é de tensão. Dois tratores do Bope ajudaram a derrubar barricadas construídas pelo tráfico nos acessos à favela. Caminhões de lojas de eletrodoméstico em chamas são utilizados pelos bandidos para construir a barricada.Moradores da região se dividem ao opinar sobre a atuação das forças de segurança Morador da Penha há 20 anos, o comerciante Marco Aurélio Ferreira da Silva, 55 anos, apóia os ataques. “Já estava mais que na hora das forças armadas assumirem o papel da polícia. Eu nunca vi algo parecido, só em filme. Esse clima de guerra tem que acabar”, disse ao iG.
O governo em nome de suas policias, tem um aparato bélico e de contingente, considerável, e não pode permitir essa afronta contra si
Já Maria Elizabeth da Silva, dona de casa, que foi pegar o filho de quatro anos mais cedo em uma creche na Vila Cruzeiro, disse estar apavorada. “Nunca vi algo igual. Meu marido não vai trabalhar há dois dias”, revelou.De acordo com a Secretaria Municipal de Educação, no turno da manhã desta quinta-feira, 17 escolas e 12 creches não funcionaram. Essas unidades, que atendem 12.414 alunos, estão localizadas, principalmente, na zona norte da cidade.Além dos blindados, a Marinha cedeu à Polícia Militar armas, munições e óculos de visão noturna. A ajuda é resultado de pedido feito pelo governador do Rio, Sérgio Cabral, ontem.
Não se pode amaciar com essa gente! 

Eles colocam fogo em veículos, e não estão nem ai com os passageiros!
Deixaram á sujeira crescer demais, agora quem enfrentar 
arruma essa  tremenda encrenca, disse o governador Sergio Cabral
O governo de forma nenhuma deve retroceder contra esses criminosos, agora é á hora de se colocar ordem na casa, doa a quem doer
Aquele que não se render e resolver enfrentar á policia, então tera que ir para seu lugar merecido, que é os quintos do inferno
Infelizmente não a mais o que se fazer, não se pode permitir que criminosos ordinários e  foras-da-lei, ditem as regras, essa situação ja extrapolou os limites da paciência humana, os caras possuem diversas modalidades criminosas, sendo os arrastões  feitos todos os dias  com bandidos armados de fuzil de guerra, nas barbas do governo, até um helicóptero foi derrubado por essas ratazanas,  tem que mostrar para esses vagabundos quem é que manda, chega de politiquismo e acordos por baixo do pano, tem que se fazer isso mesmo, e os congressistas tem á obrigação de votarem leis pesadíssimas para esses tipos de criminosos, e mante-los dentro das cadeias sem nenhuma regalia ou beneficio,  que realizam um terrorismo declarado contra o poder do estado de direito.
Só uma pergunta que eu faço, onde estão agora aquelas pessoas e autoridades que adoram bajular e fazer media com vagabundos? Com certeza devem estar escondidos embaixo de alguma cama e todos borrados!