Visualizações de páginas da semana passada

TODAS AS POSTAGENS DO BLOG

OBRIGADO PELA VISITA, SEJA BEM VINDO, ESPERO QUE GOSTE, VOLTE SEMPRE.
Loading...

Pesquisar este blog

domingo, 17 de janeiro de 2010

Á MAIOR INFLAÇÃO DO MUNDO !





Crystal Clear app xmag.pngVer artigo principal: História do Zimbábue
Os colonos originais para as migrações bantu, no século IX, são a população Khoisan, que ao longo dos séculos XIII e XIV, o bantu criou o Império Monomotapa, para chegar a um território muito importante, cujo centro está situado nas ruínas de Grande Zimbábue. Quando em 1607 o monarca do Estado concede aos portugueses a exploração do subsolo da área, ela já se encontrava em declínio, que, em um outro tempo, graças às suas minas ouro e ao comércio de escravos chegou a manter um comércio constante com a costa do Oceano Índico.
No final do século XIX, os ingleses, dirigidos por Cecil Rhodes começam a colonizar a região com o objetivo de mineração. A riqueza desta terra atraiu muitos europeus, ficando à população branca a dominar o país. Em 1921, a colónia autônoma se proclama como Rodésia do Sul. Em 1953, o Reino Unido, temeroso da maioria negra, cria a Federação da Rodésia e Niassalândia composta por Rodésia do Norte (hojeZâmbia), Rodésia do Sul (hoje Zimbábue) e a Nissalândia (hoje Malauí). Em 1964, o Reino Unido concede a independência a Rodésia do Norte, com o nome de Zâmbia. Mas a Ródésia do Sul se recusa, a menos que sejam dadas garantias de que o governo será eleito pelo sufrágio universal. Um ano depois o primeiro-ministro Ian Smith declara unilateralmente a independência da Rodésia do Sul, em 11 de novembro de 1965, e promulga uma nova constituição que adota o nome de República da Rodésia. Mas a sua indepedência só foi reconhecida quase quinze anos depois, em 18 de abril de 1980, com o nome de Zimbábue, cujo sua capital é Harare.
Essa pilha de dinheiro é necessário,
 para comprar apenas leite,
 e alguns pãezinhos,
ou almoçar, num restaurante.

Economia

Crystal Clear app xmag.pngVer artigo principal: Economia do Zimbábue


Dólar zimbabuano de 1983, atualmente uma nota de Z$ 2 tem apenas valor numismático.
O país apresenta a maior taxa de inflação do planeta. Em fevereiro de 2007 foi registrada uma inflação anualizada de aproximadamente 1730%. Dados governamentais de junho de 2007 já apontam uma inflação de 4500%, embora especialistas afirmem que ela já chegou a aproximadamente 100000%. Em julho de 2008 a inflação oficial chegou a 2.200.000% ao ano, mas estatísticas extraoficiais indicam uma inflação real de 9.000.000% ao ano[1].
hiperinflação vem destruindo a economia do país, arrasando com o setor produtivo. Nos últimos anos, Zimbábue tem diminuído rapidamente sua produção agrícola. Uma medida governamental congelou os preços, causando desabastecimento, fortalecimento do mercado negro e prisão de comerciantes contrários à medida[2].
A economia do Zimbábue, que já foi um dos países mais prósperos da África meridional, encontra-se imerso desde 2000 em uma profunda crise. Além da hiperinflação, há um alto índice de desemprego (88%, maior do mundo),pobreza e uma crônica escassez de combustíveisalimentos e moedas estrangeiras.
No início de abril de 2009, um vídeo filmado dentro de uma penintenciária do Zimbábue denunciou a situação precária dos presos, que vivem em condições extremas e mostram sinais de desnutrição.[3]



09 OUTUBRO 2008


Inflação no Zimbabwe: 231,000,000%

Segundo BBC, de 11,200,000% o mês passado, a inflação no Zimbabwepassou agora para 231,000,000%. Enquanto isso, continua por decidir a partilha de poder, não se chega a acordo sobre a divisão das pastas ministeriais. Leia como o jornal governamental zimbabweano The Herald descreve uma falhada conferência de imprensa organizada pelo MDC para ontem. Se deseja ler em português, recorra ao tradutor googlesituado do lado direito deste diário.

Com inflação recorde, Zimbabwe lança orçamento de quatrilhões

A inflação se calcula em trilhões por cento e o dólar zimbabweano foi substituído, embora não oficialmente, pelo dólar (americano) e pelo rande sul-africano.
Da Redação com agências



Harare - O ministro das Finanças do Zimbabwe, Patrick Chinamasa, apresentou ontem (29) perante o Parlamento um orçamento de 51 quatrilhões de dólares zimbabweanos para o exercício anual 2009-2010 do governo de Robert Mugabe.


Alguns setores econômicos acreditavam que desta vez o orçamento seria em dólares, mas Chinamasa negou-se a abandonar a moeda zimbabweana e insiste em que a mesma deverá coexistir com outras divisas em uso no país. "Permitiremos o uso de várias divisas estrangeiras junto ao dólar zimbabweano para transações comerciais e financeiras", disse Chinamasa, que foi vaiado pelos legisladores do opositor Movimento para a Mudança Democrática (MDC).

A economia zimbabweana se encontra em queda livre desde o início desta década, após uma reforma agrária de cunho racial feita por Mugabe, que desapropriou as terras dos fazendeiros brancos e, com isso, tornou a produção quase inexistente, colonos ingleses, aqueles que verdadeiramente, plantavam e produziam no pais.

Além de ficarem sem  suas terras de plantio, também foram expulsos do pais, e suas terras foram doadas aos partidários do governo.
Com á singela desculpa esfarrapada,  de se valorizar o colono local.
Resultado foi que esses colonos locais não entendiam absolutamente nada sobre plantio, alias eles não entendiam nada de nada, á unica coisa que eles sabiam fazer bem era "puxar o saco".




Com isso toda aquela prospera economia zimbabwana,  atravancada pela agricultura foi por agua abaixo, 
esse triste exemplo de fracasso lembra um pouco á nossa desastrosa reforma agrária, que em diversos casos vem premiando escalabrosamente, indivíduos que nunca realmente trabalharam com terra, alias na verdade eles sequer chegaram á trabalhar, esses integrantes do m.s.t., que são vagabundos natos, e aproveitadores.
Muitos desses ganharam terras para plantar, e as venderam utilizando os chamados contratos de gaveta.


Em  contrapartida, diversos agricultores serios e trabalhadores foram seriamente injustiçados e prejudicados por invasões terroristas promovidas por esse movimento de bandidos, não contentes com as invasões, também promoveram desordem e destruição dos patrimônios particulares, pesquisas, e equipamentos agicolas das fazendas.





A inflação se calcula em trilhões por cento e o dólar zimbabweano foi substituído, embora não oficialmente, pelo dólar (americano) e pelo rande sul-africano.

No ano passado, o governo cortou dez zeros de sua moeda oficial, já que as calculadoras não podiam mais fazer as numerosas contas em trilhões.

As escolas, universidades e inclusive os hospitais estatais cobram agora suas tarifas em moeda estrangeira, apesar de menos de 5% dos zimbabweanos empregados receberem seus salários nessas divisas.

Ontem, os estudantes da Universidade Tecnológica de Bulawayo, no sul do país, protestaram contra o pagamento em moeda estrangeira de suas matrículas, enquanto a Universidade Nacional do Zimbabwe, em
Harare, teve de abandonar suas reivindicações de receber também pagamentos nessas moedas após manifestações estudantis 


Crystal Clear app xmag.pngVer artigo principal: Subdivisões do Zimbábue
Mapa das províncias do Zimbábue, numeradas.
O Zimbábue está dividido em oito províncias e duas cidades com estatuto de província:
  1. Bulawayo (cidade)
  2. Harare (cidade)
  3. Manicaland
  4. Mashonaland Central
  5. Mashonaland Este
  6. Mashonaland Oeste
  7. Masvingo
  8. Matabeleland Norte
  9. Matabeleland Sul
  10. Midlands

[editar]Geografia




01/03/09 - 07h44 - Atualizado em 01/03/09 - 11h33

Inflação do Zimbábue pode ter superado 89 sextilhões por cento, diz instituto

Falta de informações dificulta estimativa do custo de vida.
Problemas no país se agravaram com reforma agrária forçada.
Marcelo CabralDo G1, em São Paulo
Tamanho da letra
Ampliar FotoFoto: Reuters

Bolsa de Valores do país voltou a funcionar, mas agora só negocia em moeda estrangeira. (Foto: Reuters)

O Zimbábue, pequeno país africano situado no sul do continente, ganhou espaço na imprensa mundial nos últimos anos por uma série de motivos: a tentativa de retirar do poder o ditador que governa o país há 29 anos, as condições de vida degradadas da população devido a uma crise econômica crônica e a desvalorização acelerada da moeda, que gera notas que podem valer até 100 trilhões de dólares zimbabuanos (Z$).


Leia também:





Governo do Zimbábue, depois de criar a nota de 100 bilhões de dólares (na história, a cédula com o maior número de zeros na face, onze), já cogita criar a cédula de 500 bilhões de dólares!!
















Tudo graças à inflação monstruosa que vem assolando o país, você já deve ter ouvido...















notícia (em inglês) do jornal zimbabueano (?!) Zimbabwe Independent, você vê aqui.


cedula cem 100 bilhoes dolares zimbabue zimbabwe
Cédula de 100 bilhões e seus onze zeros



G1/G1





















1 nota de 200.000 dólares zimbabwense,
 valem 10 dolares americanos.






Muito volume e pouco valor...




10 dólares americanos valem mais que,
 os 10 milhões de dólares zimbabwense.






E necessario uma montanha de dinheiro, 
para se fazer compras.


 Esta montanha equivale à,
 100 dólares americanos.

Nota de cem bilhões de dolares zimbabwanos.

Isso é inacreditável !























 É assim que as pessoas vão a um restaurante,
ou as compras.


















Essa é continha pelo consumo de,
 1 jantar, 6 cervejas e 1 água mineral





A taxa de cambio é de 25 milhões,
 de dolares zimbabwense para,
1 dolar americano.


Em Agosto o governo,
 tirou 10 zeros das notas

(eles já não cabiam mais,
 naquele pedaço de papel)





































No entanto a inflação,
 continuou a subir e em Setembro,

com esse dinheiro aí em cima,
 podia se comprar 4 tomates...






















E com isso, 1 pão amanhecido



E aí começou tudo de novo e os zeros começaram

a voltar para as notas a partir de Setembro.

G1/G1

Postar um comentário